quarta-feira, 19 de julho de 2017

Reclamação de Maria

Apeteceu-me fazer uma limpeza às minhas contas e pessoas, sinto-me desfalcada, triste e desiludida. Entrego-me, mostro o meu intimo, dou de mim, do meu tempo, abro as portas da minha vida e casa e quando menos espero dou por mim sentada a frente de uma mesa posta e sem ninguém para me acompanhar. Dei hipótese sim, procurei e pedi, o feedback não foi equiparado ao sentimento que sinto, e como pessoa que sou, também com defeitos resolvi afastar-me...

Agora é esperar que a dor passe, que o sentimento de falta se desvaneça com o tempo, que a sensação de vazio no peito volte a preencher. Hoje preciso de um abraço, mas teimosa... não o peço.


sexta-feira, 23 de junho de 2017

Maria e os bafos de bode


Voltei aos desabafos, voltei as queixas e aos queixumes. Ando a sofrer nesta casa, não consigo falar directamente nem encarar ninguém. Não sei se de repente do nada as pessoas andam a mastigar alho ou cebola ou ....algumas coisas piores. Esta casa está contaminada.

Quase todos têm um cheiro activo de boca, e não percebendo o mau hálito de que sofrem adoram falar em cima de quem não tem. 

Aii de mim, aiii de mim... que tento afastar-me sem sucesso. Debruçam-se sobre o balcão para falar comigo, querem contar segredos e eu nauseada sustenho a respiração para não cair para o lado. 

Como dizer a alguém que " cheiras a podre!". Help!




sexta-feira, 19 de maio de 2017

Maria dorida

Não consigo definir o o estado em que me encontro, sentida, dorida, enervada. Sensação de falta de voz porque me cortaram o "pio". Não me foi permitido viver, experienciar, sentir e fazer sentir.

Saudades e raiva...dor e inércia.

Hoje ainda estou assim... é só um desabafo.






domingo, 9 de abril de 2017

Maria amnésia




Não foi um fim de semana particularmente "bão", mas deu para aliviar a moleirinha e descansar o corpo, li, joguei, vi umas séries... descomprimi da semana stressante .

Mas bolas, já acabou? Nem dei por nada... fónix.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Maria denuncia o barrote (Yolando Palheta)

Como vos tinha contado no texto anterior o nosso master of command , Dr. Yolando Palheta ou se preferirem Mister Barrote anda demasiado empolgado.

Não se pode mostrar um bocadinho de pele, perna, decote, tornozelo ou pulso que o homem empolga-se e começa com conversas dúbias e insinuações sedutoras baratas. Sim, há disso no meu trabalho pois como já tinha referido ele julga a loja das Fazendas o seu harém.


Para contrastar o ambiente sexy pós-fiftyshadeziano estou quase a propor as minhas colegas ir-mos trabalhar de burka.


terça-feira, 4 de abril de 2017

Maria e os 50 ALGUIDARES DE CIMENTO (mais um barrote)

Esta loja anda estranha, a trupe do “corte e costura” anda meloso demais para o que estou habituada.

Olhares sexy’s, vozes suaves, as unhas vermelhas, as roupas cintadas, o batom retocado, a libido na loja chega a ser palpável.

Até o Yolando, neste caso “o barrote”, não sabe para onde olhar, pessoalmente adoro que ele ande assim entretido com as “vistas”.
  
Após alguns inquéritos descobri finalmente o mistério, fiquei a saber que os ânimos andam quentes depois de uma certa excursão à cidade para ver o ultimo filme “fifty Shades”.

Grandes malandras, Xuxas, Suses, Lulu’s e Xupetas, organizaram um jantar que eu denominei de “jantar da cueca molhada”.  

Depois de bem comidas e atestadas de sangria de frutos vermelhos foram esquentadas para o cinema,  agarradas a baldes de pipocas para ter qualquer coisinha para morder quando aquelas cenas mais “hot” surgiam no ecrã.


Estou quase a ver a Xuxa Aldente fazer uma encomenda online de lingerie marota.  Uiiiiiiiiiiii.....renhau!


segunda-feira, 3 de abril de 2017

Maria facadas


Esta semana tem sido dura, num determinado dia senti-me tão mal e desiludida comigo que nem me suportava. É nessas alturas que normalmente se precisa de companhia, de abraço e alento mas eu bicha do mato como sou, só me apetece ficar sozinha para em paz chorar as minhas mágoas e lamber as minhas feridas.



Sim, alguém me fez mal, alguém me magoou, alguém não me deu hipótese de me justificar e caí. Esse alguém que pouco conheço teve o condão de me deixar pra baixo e me fazer sentir colada ao fundo do poço. É isso que me deixa pior, permitir que alguém estranho me atinja desta forma. Mas a vida é mesmo assim, uma constante aprendizagem. Hoje já melhor, tento tirar uma lição do que me aconteceu. E mesmo que volte a cair... quero aceitar que faz parte.

segunda-feira, 13 de março de 2017

Desabafos de uma Maria armada em cagona



Isto de ser gira é doloroso, passava bem sem piropos foleiros,  o charme barato de alguns clientes que vão a loja, o assédio do Yolando, os olhares "fita métrica" de Xuxa e Suse, os comentários maldosos de Chupeta, e a mãozinha marota de Carla Sapatão. 


Ok, Maria...sorri e finge que não percebes. 

quinta-feira, 9 de março de 2017

Hipotéticas de Maria

Se pudesse esquecia-te num segundo, olhava para o lado no preciso momento que te conheci, fingia-me de desinteressada, desentendida e seguia o meu caminho. Não o fiz e agora, depois de te conhecer, de saber que o "cheio" deixa um vazio doloroso,  sinto algo a corroer-me por dentro e o meu inner self esta constantemente a beliscar-me. 

Nada é fácil, nunca nada é fácil...

Sei do que preciso, detox! "Detoxar-me" de ti, tipo tratamento choque, numa só noite porque não tenho muito tempo, conseguir junto de alguém que me ampara e ama... 

Beber, chorar, rir, dançar, soluçar, chorar de novo... e finalmente esperar pela racionalização, por aquela consciencialização de que afinal a vida é banal se não fossem estes picos de excelentes momentos. Esperar que ela desça aos pés e volte a subir ao tecto da alma e finalmente se expanda fazendo-me sentir a pessoa mais afortunada com pequenos nadas que a vida me oferece.


quinta-feira, 2 de março de 2017

Solamente Maria

Há dias em que aceito o meu monstro e fazemos as pazes, noutros revolto-me. Não sou de pedra, não sou de algodão, não sou de madeira, sou de carne e osso paramentada com um punhado de sentimentos cuidadosamente envidraçados, muitas vezes controversos e difíceis de assumir.

Hoje estou taciturna, estou periódica e subitamente senti uma tristeza a abater-me sobre a alma. Sinto-me gelada, isenta de calor humano do qual o meu corpo parece nem sentir. 

Sozinha, não estou, nem fico… mas sinto-me, sinto-me a pessoa mais só deste mundo, parece até pecado pois vivo rodeada de gente que me quer bem, mas agora… “hoje” sinto-me assim.

Dói-me algo que não sei explicar, uma dor por definir, um vazio que se alastra e sei onde vou acabar… abraçada á noite no meio do escuro envolta pelo vapor dum banho a afogar-me em silêncios estridentes  .


Hoje não me peças nada… hoje não sou nada nem ninguém.


Beijo.
M.